" Paz das montanhas, meu alívio certo! "

22/06/2011

Roca Negra - Velas Brancas



Devido à impossibilidade da Lírio caminhar na Serra nestes dias, eu, Oríon, passo a relatar-vos o meu passeio de Solstício de  2011. Os objectivos desta caminhada eram subir a Roca Negra e vêr se os Lírios do Gerês da encosta do rio Laço ainda estavam floridos, já que durante a plantação de árvores nos currais de Fafião, quando estava a fotografá-los, caiu uma das maiores saraivadas que tenho memória. Previa-se um dia quente, pelo menos desta vez não ia apanhar saraivadas :))
Cascata do Arado
Junco
Comecemos pelo início, Cascata do Arado, não tem que enganar é só subir, são 10:00 e já estão 22ºC!!, sem uma brisa para refrescar, o dia promete. Lá se foram vencidos os 250 m de desnível até à portela do Teixeira, aí a paisagem habitual do prado do Teixeira e Camalhão. Podia ter seguido em frente e subir até ao Borrageiro e depois descer até à Roca Negra, mas quis inventar um pouco e comecei a subir a encosta percorrendo as elevações que se situam entre a Corga da Giestieira e o rio que vai dar ao Teixeira para formar o Arado, parece fácil mas não é, não há trilho e é um interminável sobe e desce e  a temperatura aumentava.  Há pouca vegetação e muito penedo branco altamente reflectivo, para quem quiser perder uns quilos de peso é recomendável. Pelo meio encontrei um pequeno curral, há currais nos sítios mais insuspeitos do Gerês. Toca a subir até que encontrei um  trilho já tinha percorrido anteriormente que vêm da Arrocela e vai até à Chã do Pinheiro. Ao longe já se via a Roca Negra. Esta parte do trilho é fabulosa pelas paisagens da Roca de Pias, Roca Negra e Rocalva. Chegado finalmente à Chã do Pinheiro toca a fazer a abordagem à Roca Negra, não é difícil existe um trilho já demarcado, a parte final exige um pouco de força de braços, mas é não preciso cordas nem material de alpinismo, é só ter atenção para não dar um tombo.
Formas curiosas, vejam quantas caras descobrem.

Roca de Pias
Roca Negra e Rocalva

Roca de Pias

     Finalmente no topo do mundo, as vistas são fabulosas enche-nos a alma, e na parte superior existe um pequeno planalto com vegetação. Vamos almoçar no topo do mundo, ao longe vê-se uma águia a pairar. Vem a parte pior, descer, com cuidado tudo se faz e assim foi. Dei a volta à Roca Negra e desci até aos prados de Rocalva, como tinha tempo, afinal estamos quase no dia mais longo do ano, toca a ir até às Velas Brancas ver as Fichinhas e as Sombrosas. O trilho é fácil e relativamente plano, passa-se a descida para a Mourisca e fica a 15 minutos, se a altura da Roca Negra impressiona, aqui a alturas impressionam mais, quem sofrer de vertigens não se aproxime do precipício. As fotografias não fazem justiça à altura. Paisagens de cortar a respiração desde o prado do Conho, Cidadelhe, Borrageiro e Sombrosas, ao sair ainda dei com o geocaching das Fichinhas, dei o meu contributo e voltei a esconder a cache.
Calma, ninguém morreu é apenas um musgo interessante.

Prado das Fichinhas
Um "bocadinho" alto.
Sombrosas

A partir daqui como as temperaturas estavam elevadas tinha bebido quase toda a água, a partir de agora é procurar uma fonte próxima. Apesar de nunca lá ter estado sabia que existia um prado perto dos Ovos, o prado de Iteiro de Ovos, e havia um trilho que me levava até lá, toca a seguir o trilho, que isto de trilhos não faltam no Gerês, passei por um antigo prado abandonado, e o trilho prosseguia até à uma corga que alimenta o Laço e lá estava o prado, com uma fonte a jorrar abundantemente. E lá estavam as árvores que o João Miguel, Nuno e demais colegas tinham plantado no dia dos Currais. Seguindo o trilho até ao estreito do rio Laço, fazia intenção de descer o vale até ao Conho e seguir pelo trilho do poço azul, mas ainda pretendia vêr os Lírios do Gerês. Fui inspeccionar a encosta do Rio Laço mas das dezenas de Lírios que tinha visto à 15 dias não restava nenhum, lá subi com o calor abrasador a encosta do rio Laço, aqui os kms e o  calor que se fazia sentir neste dia já me pesavam nas pernas.
Prado de Iteiro de Ovos

Rio Laço

Resolvi ir até à Amarela e seguir o trilho que a White Angel me tinha ensinado, vamos lá ver se dou com o trilho, quando subi estava a carregar com a estaca de madeira e estava mais preocupado em não cair do que a memorizar o trilho. Rodeando os Bicos Altos lá cheguei ao prado dos Bicos Altos e respectiva cabana, atravessando a corga em direcção do curral de Pousada qual é o meu espanto quando encontro o gado em Pousada, na semana passada tinha estado a conversar com o Sr. Joaquim, no Pinhõ, que me tinha dito que o gado ainda não tinha subido devido a cuidados veterinários. Não encontrei o vezeiro mas também não o procurei. Vamos a descer mais um pouco mais até ao Pinhõ e até à ponte das servas, qual o meu espanto quem encontro, o Callixto do blog Fragas e Pragas, e esposa, que estava a fazer a sua autonomia do Solstício já com bastantes kms nas pernas tinham descido desde a Roca de Pias e percorrido o vale do Conho, quem me dera a mim, daqui a uns anos ter a saúde destes camaradas de montanha, e ainda tinham um plano ambicioso de ir até ao Castro Laboreiro e Somiedo, desejo-vos boas caminhadas e que tudo corra pelo melhor. Depois de meia hora de boa conversa onde me deu para recuperar forças e apesar da excelente companhia tive de os deixar porque tinha gente à espera, já estou a ver a Lírio à minha espera de "colher de pau" na mão e a perguntar-me "Onde andaste vadio?", não liguem, isto é só inveja. Mais um pouco Curral de Portos, Malhadoura e Arado. Mais um dia bem passado no Gerês.  Espero não vos ter aborrecido com a minha narrativa, não tenho a veia poética da Lírio. Até à próxima.
Curral e cabana da Amarela
Cabana dos bicos altos.
Curral de Pousada

6 comentários:

  1. Orion!!!

    Maravilha de relato, adorei!!!!!
    Mas ha dois trilhos que saiem dai para ires a Roca Negra... Amanha indico-te o caminho;) As Asas Brancas é a primeira vez que ouço esse nome, em Fafião chamam lhe as Belas Brancas... O prado abandonado que passaste chama-se as Soengas;) Quanto ao gado ele vai ficar em pousada e este fim de semana vai para o Prado de Bicos Altos;) Amanha falamos melhor ..

    Beijinhos e até amanhã :)

    ResponderEliminar
  2. Olá White Angel tens razão são belas ou velas Brancas, ouvi este nome de um pastor de Fafião e no meu inconsciente troquei velas com Asas, Freud provavelmente tem um explicação enfim deve ser o desejo de voar como um pássaro daquela falésia. Obrigado por me corrigires. Ainda bem que gostaste. Beijos e até amanhã.

    ResponderEliminar
  3. Adorei :)

    Espero que daqui a 2 semanas voltes a colocar algo tão completo como este

    Abraço

    Ass: João Miguel

    ResponderEliminar
  4. Olá João

    Esperemos que sim, provavelmente escrito pela Lírio.

    Abraços

    ResponderEliminar
  5. Excelente relato, adorei. Obrigado pela referência ao nosso encontro na ponte das Servas, foram realmente momentos "mágicos" de troca de vivências. Entretanto já fizemos Castro Laboreiro ... e já estamos em Somiedo. Hoje conto subir ao Cornón, o ponto mais alto de Somiedo. Tenho feito breves descrições via Facebook (e fotos no Picasa) ... já que o "Por fragas e pragas..." ainda vai em 2005... :)
    Um grande abraço!

    ResponderEliminar
  6. Callixto o sentimento é mútuo, temos estado a acompanhar o vosso percurso, via Picasa. Tenho acompanhado o teu excelente blog, parabéns é mesmo o diário de uma vida, merecia ser compartilhado, deixo-te a sugestão de o passares para livro. Certamente haveremos de nos encontrar mais vezes por essas fragas do Gerês. Abraços e boas caminhadas.

    ResponderEliminar