" Paz das montanhas, meu alívio certo! "

02/05/2013

Pela Serra da Cabreira

A serra da Cabreira estende-se pelos concelhos de Vieira do Minho e Cabeceiras de Basto.  O seu cume é Alto do Talefe, com 1262 metros de altitude.

Reza a lenda que a Serra da Cabreira deve o seu nome a uma jovem e bela cabreira que por ali costumava guardar seu rebanho. Numa manhã de Sol um cavaleiro muito elegante, ficou como que maravilhado diante da moça. Logo ali Cavaleiro e Donzela trocaram as suas juras, como se só eles existissem no Mundo. Mas tudo tem um fim, diz o Povo e é a Verdade.
Em certo momento o Cavaleiro lembrou-se que tinha de partir.
- Escuta, minha bem-amada... Eu vou, mas voltarei o mais rapidamente possível. Já não posso viver sem ti.
Triste, suspirando, ela apenas confessou:
- Nem sequer sei quem sois... Como vos chamais...
Ele riu, dominador e feliz.
- Pouco importa... Sou o homem que tu amas e te ama... Mas se queres saber mais, digo-te que sou o Conde de uma vila próxima e virei buscar-te em breve para o meu palácio.
Espera por mim!
-Esperarei até ao fim da minha vida…
E esperou, na verdade, até ficar quase morta de fome, de cansaço e de frio (e de desilusão, também!)
-Preciso de o encontrar, preciso de o encontrar de novo... nem que para isso tenha de ser ave e voar...
E chorou.
Chorou tanto, tanto, que o caudal das suas lágrimas se transformou num Rio e esse rio foi banhar a terra daquele que a abandonou: "Vila do Conde".
E o bom Povo quis perpetuar, com toda a justiça, o amor desgostoso da moça pastora.
Por isso, deu à Serra onde ela vivera a sua grande paixão, o nome de Serra da Cabreira e já que ela queria ser ave e voar, passou a chamar ao Rio da Vila do Conde, o Rio Ave...

A Serra da Cabreira tem permanecido fora dos principais circuitos turísticos devido a estar localizada muito próximo da Serra do Gerês, destino de excelência para quem procura paisagens serranas. A génese desta caminhada resultou do amável convite feito pelo Pedro Durães, do blog BotaPróMonte, convite que desde já agradeço. Por ironia do destino quem nos orientou foi o nosso amigo Rui França, proprietário da casa de turismo rural Casa do Andarilho. O Rui tem sido um dos grandes defensores e promotores da Cabreira. Na nossa modesta opinião não podíamos ter melhores guias. 

O trilho iniciou-se na ponte românica de Agra e seguiu de perto o curso do Rio Ave, até à sua nascente, que resulta na confluência de três ribeiras, que nascem em três fojos. Para quem conhece, como nós, o rio Ave no seu curso a jusante, fica admirado pela limpidez cristalina e pureza das suas águas nesta parte do rio.

Ponte românica de Agra
Na nascente do Ave.
Nascente do Rio Ave

A nossa caminhada levou-nos até ao Fojo de lobo, do Pau da Bela. Um dos três fojos do complexo de fojos da Cabreira, de poente para nascente, o fojo Novo, como o nome indica o mais recente, do início do século XX, o Fojo do Ribº das Figueira Bravas e o Fojo do Pau da Bela. O Fojo encontra-se em bom estado de conservação, e data dos finais do século XVI a inícios do século XVIII.

Fojo do Pau da Bela


Pau da Bela

Serra do Gerês

A Lili Caneças da Cabreira.
Bosques da Cabreira



Pelo seu tamanho pareciam sequóias 


Costa dos Castanheiros, imaginem-na no Outono






O negativo que temos de salientar é a profusão de "fitas" que marcam os trilhos deixadas pelas organizações de eventos, que não se deram ao trabalho de as retirar. Realço a publicidade negativa à empresa Unicer, detentora da marca de água "Vitalis", que aparentemente patrocinou estas provas, devida à  quantidade de plástico, com a marca da empresa, que deixam em zonas protegidas da serra.



E assim terminamos a nossa caminhada na casa de turismo rural, "Casa do Andarilho", um espaço acolhedor e confortável, na aldeia típica de Agra, ponto de partida para a descoberta dos místicos bosques da serra da Cabreira.

Até à próxima.

5 comentários:

  1. Foi um dia bem passado e a Cabreira é um verdadeiro espectáculo verde!

    ResponderEliminar
  2. Olá Órion,
    - Fico feliz por vocês curtirem a Cabreira. Fantásticas fotos! Uma das coisas que mais aprecio no vosso blogue é o facto de prestarem atenção aos pequenos pormenores, desde uma simples planta à "barba" de algumas árvores, nada escapa ao vosso olhar!
    Um Abraço Montanheiro,
    Pedro Durães

    ResponderEliminar
  3. Olá Órion,

    É na realidade uma pena que a Serra da Cabreira seja 'abafada' pelo vizinho Gerês. Na Cabreira existem argumentos mais do que suficientes para que o pessoal montanheiro comece a olhar para ela com 'olhos de ver'.
    E este dia, com esta magnifica caminhada, foi a prova disso mesmo.
    E valeu também pelo ambiente de comunhão e partilha que esteve sempre presente entre o pessoal. Venham mais dias assim!

    Abraço,

    Berto

    ResponderEliminar
  4. viva Orion!
    é sempre um prazer caminhar com vocês,pois fico sempre a conhecer melhor (graças aos teus conhecimentos da historia local)os locais por onde passamos.Exemplo disso é este texto sobre a origem do nome da serra/rio.Bonito.
    Um bem haja a todos os companheiros/as que me proporcionaram uma caminhada fantastica.Um grupo muito simpático! Venha a proxima!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá dobocage

      Os meus conhecimentos de história local são muito básicos. A história da serra da Cabreira ouvi-a pela primeira vez de quem, esse sim, sabia muito de história, não fosse ele um antigo professor de história, além de ter sido locutor de rádio. É uma lenda muito bonita e que poucos conhecem.
      Abraços

      Eliminar