" Paz das montanhas, meu alívio certo! "

21/09/2016

Penedo das cruzes

      O Gerês é mesmo surpreendente. Numa caminhada recente deparei-me com um monólito de pedra com entalhes bastantes profundos, em forma de cruz (ver foto abaixo), claramente feitos pelo homem. Este monólito passa bastante despercebido ao caminhante, só o  encontrei por puro acaso, numa ligação entre duas rotas principais.Não sei precisar a idade destas gravuras, talvez tenha sido resultado da religiosidade de um pastor geresiano mas poderá ter origem ainda mais remota. Um caso semelhante é o do achado da   Pedra das Cruzinhas, na fronteira entre o Sabugal e a Guarda,  também aqui se questionou asfunções  que desempenhou a Pedra das Cruzinhas com as suas múltiplas gravações?  Nesta publicação as opiniões são dispares acerca do tempo das figuras cruciformes, ora consideradas como representações antropomórficas, pré-históricas ou proto-históricas, ora assumidas como marcas medievais ou modernas, seja de cristianização de sítios de antigos cultos pagãos, seja de materialização e confirmação de limites de territórios.

Curiosamente este ano também me cruzei com outra pedra com gravuras, esta situada na serra amarela, a que o bloguista Jorge Louro chama de menir do marco da anta, ver Notas para o meu diário.



Sem comentários:

Enviar um comentário